29 fevereiro 2016

Tenha um bom dia

Bom dia! Mas calma, um bom dia não depende só da gente. Depende do sol, depende dos planos e depende das companhias, correto? Errado! Um bom dia depende só de você, vou te provar.
Um dia frio e nublado é um ótimo dia para assistir um filme, comer uma pipoca, brigadeiro, engordar sem culpa, curtir o "dolce far niente". Mas se você tem que trabalhar, também não há problema para os dias nublados, afinal, com o frio a gente fica mais acordado e mais concentrado, uma boa xícara de café e tudo se resolve.
Mas se o dia estiver calor, então você pode arrumar um suco bem gelado e aproveitar a luz excessiva para ser mais produtivo. Se você não tem que trabalhar e o calor está demais, ótimo também, nada como uma piscina, ou um banho de mangueira se você não tem piscina (quem nunca?), ou um sorvete sentado na praça vendo a vida passar.
Acho incrível analisar como nós temos a séria tendência de achar que outras coisas precisam acontecer, que outras pessoas precisam aparecer, que algo precisa surgir para que sejamos felizes. Calma, não é bem assim. Claro que eu não sou a dona da razão e se você quer acreditar o resto da vida que sua felicidade depende de outro fator ou outra pessoa, é uma escolha toda sua.
Eu acho, só acho, que colocar a culpa nos outros é sempre o caminho mais fácil para aceitar, mas o caminho mais difícil para ser independente e feliz. Um dia, depois de querer muito sair e não ter companhia de nenhuma amiga, eu decidi que não dependeria mais disso. E então, se eu quero eu vou - e é incrível como eu NUNCA fico sozinha mesmo - e ser "solto" assim é a melhor forma de fazer amigos.
É difícil sair da zona de conforto, é muito mais tranquilo estar nas condições favoráveis (o clima ameno de que você gosta, os velhos amigos que te conhecem há anos). A sensação de liberdade, conhecer pessoas diferentes, viver experiências diferentes, todavia, compensam cada segundo de frio na barriga por incerteza.
Então, se você quer mesmo ter um bom dia, tenha a consciência de que ele depende apenas de você e de como você encara a vida. Todos os dias podem e serão bons dias se você deixar que eles sejam. As 24 horas lhe são dadas para serem vividas, se você vai aproveitá-las ou não é uma escolha sua. E aproveitar pode ser estudando, trabalhando, deitado com o Netflix, exercitando-se, dormindo e descansando, viajando, enfim, como você quiser.
Apenas lhe desejo, do fundo do coração, que não deixe de fazer o que quer ou que faça o que não quer porque algum fator externo ou alguma pessoa lhe convenceu. Você merece ser feliz e aproveitar sua vida. A gente só vive uma vez, mas se aproveitarmos, uma vez é mais do que suficiente.
Segundo Paulo Leminski: Não discuto com o destino o que pintar eu assino. Então assine, vá em frente, assuma os riscos e as consequências, mas mais do que tudo: faça valer a pena.
E tenha um bom dia, bons sorrisos, uma boa vida, são os meus votos.

24 fevereiro 2016

5 músicas para embalar sua quarta-feira

O carnaval passou, acabou o Tratratrá, superamos o Wesley Safadão e todo o tipo de música que fez sucesso nessa época nesse ano. Então vou humildemente sugerir 5 músicas que eu realmente adoro para embalar sua quarta-feira, seja no trabalho, em casa, na corrida do fim da tarde, na academia. Faça bom proveito das dicas!
1) Fluorescent Adolescent - Arctic Monkeys
Ontem encontrei um amigo que fiz há 10 anos pelo falecido Orkut. E conversamos super, pedi uma música e ele me mandou essa. Engraçado que já tinha ouvido mil vezes e não sabia o nome. Super chiclete, adoro! (Obrigada, Pedro!)


2) Naïve - The Kooks
Eu adoro essa música e o inglês deles.



3) Habits - Tove Lo
Essa menina é uma fofa, a música gruda no cérebro e eu ouço em looping eterno. Meio junkie também, não sei explicar direito.



4) In My Place - Coldplay
Muito amor verdadeiro por Coldplay! As músicas são sempre gostosas de ouvir, o CD novo deles está demais, em abril eles vêm ao Brasil e eu deixo aqui minha demonstração explícita de afeição!



5) Supersonic - Oasis
Queria muito uma música do Oasis para essa listinha, porque é outra banda que eu adoro. Eu poderia colocar diversas aqui, mas Supersonic vai te dar uma animada para aguentar o resto da semana!



É isso aí: não desanima! Amanhã já começa a ser quase fim de semana!

23 fevereiro 2016

Sentido da vida

Acordo todos os dias no mesmo horário. Luto comigo mesma para arrastar meu corpo para fora da cama. Uma vez de pé, só consigo pensar em pontos negativos. O café sempre está muito doce. Não vejo graça. As opções para comer, sempre muito iguais às de sempre.
A roupa que eu escolhi sempre parece mais feia no espelho do elevador do que no espelho do meu quarto. A maquiagem que eu fiz sempre aparece borrada no retrovisor do carro. Os meus poros então, gritam por socorro.
Quando os poros gritam me lembro que lá se foi mais uma semana e eu não marquei novamente com a esteticista. Mas também, a sessão dela é tão cara e eu estou sempre tão sem dinheiro.
Chego em um ambiente que também não tem muito ânimo. Ouço pessoas transmitirem conhecimentos nos quais, às vezes, elas próprias não acreditam. Ao meu redor, alguns estão apenas tendo um pouco de diversão (diversão ao custo de mil reais por mês e de acordar cedo todo santo dia), alguns estão tentando melhorar na vida, alguns ainda não sabem porque estão ali.
Quando vejo os que querem melhorar na vida me pergunto: pra quê? No fim das contas, vamos todos morrer: atropelados, em um acidente triste de carro, dormindo tranquilamente, infartando em nossos escritórios, assassinados, cada um ao seu modo.
É tanto esforço, tanta energia, para nada. No fim das contas, estamos todos apenas poluindo ar, água e terra. As três coisas mais puras deste mundo.
Depois de quatro longas sessões de 50 minutos, lá estou novamente me encarando no espelhinho que o carro me proporciona. Um caminho que dura 10, às vezes 15, e em algumas vezes até mesmo 20 minutos, regado a alguma música cantável. Pois a música é uma das poucas coisas que ainda embalam a minha alma.
Chegando, cumprimento as pessoas simples que sempre são as primeiras a encontrar, mas as mais verdadeiras do dia. Deve ser uma forma de ser compensada pela vida por ter que, em seguida, encarar algumas pessoas incansavelmente intragáveis. Sei que a maioria das pessoas não é assim, mas determinadas pessoas dão ânsia de vômito com um simples olhar.
As outras pessoas, em geral boas ou neutras, estão ocupadas demais em viver um sentido que é só delas. Então, me sinto excluída. De repente, todos têm um sentido, menos eu.

22 fevereiro 2016

Feminismo para todos

Imagem do Uol.
Meu primeiro contato com feminismo na vida foi quando vi o "Marcha das Vadias" na internet (internacionalmente Slut Walk) e, bom, primeiro fiquei chocada, confesso, depois eu achei a causa bem bacana e acompanhei algumas coisas.
O andamento disso tudo confesso que me assusta. O movimento tem espaço para todo mundo: as extremistas, as feministas com moderação, as feministas enrustidas, cabemos todas lá. Opinião minha: não curto extremismo, mas sempre que vejo uma mulher criticando o feminismo daí eu fico triste.
Vamos lá para as mulheres que leem, e os homens finjam que são mulheres:
Você trabalha? Você vota? Você usa calças? Você usa decote? Você dirige? Você anda desacompanhada de um homem? Você estuda ou estudou? Você é dona da sua vida e das suas vontades? Bom, se sua resposta foi sim para qualquer um destes itens, então você deve muito ao feminismo.
Sem me envolver com discursos políticos esquerda-mimimi-direita ou religião-mimimi-aborto, porque essas são causas ISOLADAS dentro do feminismo, o movimento foi sim muito benéfico para todas as mulheres e nós precisamos mesmo reconhecer isso. 
Você não precisa arrancar a roupa em público, apoiar o aborto ou ser de esquerda para ser feminista - e muita gente não entende isso.
Conversando com um colega de trabalho hoje, ele me contou sobre um trabalho que tem feito aqui no sul de MG com mulheres católicas, de interior, casadas, que cultivam café. Aos poucos elas foram se indignando com o fato de que recebiam menos do que os homens, com o fato de que elas e os maridos trabalhavam o dia todo nas fazendas e, em casa, à noite, elas tinham que cuidar das tarefas domésticas sozinhas porque os maridos estavam cansados. Essa indignação as deixou totalmente empoderadas.
- Pausa para o empoderamento: este é um termo usado para definir o momento em que as pessoas tomam consciência de seus direitos sociais, neste caso, as mulheres. É uma forma de "dar poder". 
Se você quiser ler mais sobre empoderamento, clique aqui.
Bom, daí que elas mudaram seus conceitos e, mesmo sendo católicas, casadas, felizes, amando seus maridos, elas começaram a cobrar igualdade dentro de casa: todo mundo cuidando das tarefas domésticas, todo mundo cansa e descansa. Muito legal. Viu? Não precisamos queimar sutiã para querer igualdade.
Eu tenho uma tia que tem dois filhos, homens, crianças, e eles pediram para ela uma geladeira de presente. Ela foi lá e comprou a geladeira do Frozen e eles simplesmente amam o brinquedo. Tá vendo como não é coisa de menina brincar com coisas de cozinha? Enfim, somos todos iguais e queremos tratamento igual.
E é por isso que eu apoio a causa: somos todos feminismo. Ninguém aqui quer que a mulher seja mais do que o homem. Mas o homem sempre foi mais do que a mulher (mais remunerado, mais paparicado em casa, mais reconhecido no mercado de trabalho, mais detentor de poderes) e nós queremos que a situação seja igual daqui em diante.
Igualdade: de oportunidades, direitos, reconhecimentos, é só isso que queremos!

OBS: o Café Feminino é um produto do grupo MOBI (Mulheres Organizadas Buscando Independência), promovido pelo IFSULDEMINAS e pela COOPFAM, e você pode ver mais do grupo clicando aqui